Goiás é líder na geração de empregos na Região Centro-Oeste, com saldo de 113.111 vagas formais em onze meses, diz Caged

O Estado de Goiás registrou saldo de 4.335 empregos com carteira de trabalho assinada no mês de novembro. Os dados foram divulgados, nesta quinta-feira (23/12), pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão ligado ao Ministério da Economia. Esse número é o resultado de 61.416 admissões ante 57.101 desligamentos.

“O objetivo é atender a demanda da população com um governo que rompe as desigualdades regionais ao criar alternativas de emprego”, reforça o governador Ronaldo Caiado. “Sempre digo que o emprego é o programa social mais importante que um governo pode deixar para seu povo”, ressalta.

O secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Joel Sant’Anna, avaliou os números e disse que em 2021, ainda um período complicado pela pandemia, Goiás mostrou a força da sua economia e, mês a mês, vem dando respostas com indicadores positivos na geração dos empregos, fundamentais para se assegurar uma retomada segura da economia.

“Temos convicção de que vamos fechar este ano de 2021 de uma maneira infinitamente melhor do que foi 2019 e 2020. Os empregos estão de volta graças as ações do Governo de Goiás, criando as condições adequadas para receber investimentos; e também graças à coragem e determinação dos nossos empresários, que apostam na parceria com o governo de Ronaldo Caiado e realizam ações para retomada da economia”, disse Joel.

Já no acumulado, de janeiro a novembro, Goiás registra saldo de 113.111 empregos formais, fruto de 692.332 admissões contra 579.221 desligamentos. Os números colocam o Estado na primeira posição na Região Centro-Oeste e na oitava posição nacional, ficando atrás apenas de São Paulo (921,2 mil), Minas Gerais (327,9), Santa Catarina (205,5), Paraná (196,1), Rio de Janeiro (180,2), Rio Grande do Sul (159,1) e Bahia (137,7).

O Brasil, também no período de janeiro a novembro, registrou saldo de 2.992.898 empregos. E apenas no mês de novembro foram 324.112 vagas com carteira assinada.

O setor de serviços liderou a geração de empregos no mês de novembro, com 4.236 vagas, seguido do setor de comércio, com 3.864 empregos formais. Já os setores de construção, agropecuária e indústria, ficaram com saldos negativos, -596, -1.218 e -1.951, respectivamente.

No período de janeiro a novembro, o setor que liderou os empregos, em Goiás, foi o de serviços com 44.716 vagas de empregos formais, seguido de comércio, com 26.994; indústria, 23.030; construção, 11.625; e agropecuária, 6.756 carteiras assinadas em onze meses.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.